domingo, 3 de abril de 2016

9 cirurgias plásticas mais realizadas no Brasil

O Brasil é o país que mais realiza cirurgias plásticas em todo o mundo. Segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), em 2013 foram 1,49 milhão de cirurgias no país.
número de cirurgias plásticas é crescente no mundo todo e, com o avanço das tecnologias, elas vão se tornando cada vez mais aperfeiçoadas. O o diretor clínico da Dream Plastic, Fabrício Veloso, lista as mais comuns no Brasil e explica os detalhes de cada uma das cirurgias mais procuradas pelos pacientes.

Cirurgias plásticas mais comuns

1 - Rinoplastia

Também chamada de remodelagem nasal, ajuda a corrigir a aparência do nariz ou alterar seu tamanho e formato, seja em decorrência de defeitos de nascença, de acidentes ou, ainda, por problemas respiratórios crônicos.
Quando pode ser feita? A partir dos 15 anos.
Tipo de anestesia: Local com sedação.
Duração da cirurgia: Entre 1 e 2 horas em média.
Cicatriz: "Não há cicatriz externa visível, com exceção da cirurgia em que se reduz os orifícios nasais", diz.
Cirurgia de nariz é lidera ranking no Brasil (Crédito: Thinkstock)Brasil lidera ranking mundial de cirurgia de nariz (Crédito: Thinkstock)

2 - Otoplastia

É a cirurgia para corrigir as orelhas de abano, que costumam causar constrangimentos e bullying na infância. Deixa as orelhas com aparência natural e harmoniosa. O risco do procedimento é muito pequeno, semelhante ao da extração de um dente.
Quando pode ser feita? A partir dos 6 anos.
Tipo de anestesia: Local com sedação.
Duração da cirurgia: 1 hora e meia em média.
Cicatriz: Não há nenhuma cicatriz externa aparente.

3 - Ninfoplastia ou cirurgia íntima

Esteticamente os resultados são discretos, mas, para muitas mulheres, a melhoria na autoestima e na vida sexual é grande, já que os pequenos lábios vaginais aumentados e assimétricos podem causar desconforto durante as relações.
Quando pode ser feita? A partir dos 18 anos.
Tipo de anestesia: Local com sedação.
Duração da cirurgia: Cerca de 30 minutos.
Cicatriz: Praticamente imperceptível.

4 - Mamoplastia de aumento

As próteses de silicone estão cada vez mais comuns. Existem três vias para a colocação da prótese: através dos sulcos inframamários (por baixo das mamas), através das axilas ou pelas auréolas. Antes de realizar essa cirurgia, alguns fatores devem ser analisados, como a estrutura do corpo da paciente, sua altura e largura do tórax, volume dos seios naturais, qualidade da pele e estilo de vida.  O formato de prótese mais procurado é o alto, de base média e com grande projeção para frente, pois preenche o colo.
Quando pode ser feita? No fim da adolescência.
Tipo de anestesia: Local com sedação ou peridural com sedação
Duração da cirurgia: 1 hora em média.
Cicatriz: Pequena e discreta.
(Crédito: Thinkstock)Silicone pode ser colocado por baixo das mamas, pelas axilas ou pelas auréolas (Crédito: Thinkstock)

5 - Mastopexia com prótese

É a cirurgia para levantar as mamas, corrigindo mudanças que ocorrem pela genética, envelhecimento, gravidez, amamentação ou ganho excessivo de peso. Em alguns casos, quando a queda das mamas for associada ao volume mamário insuficiente, há a necessidade de implante de próteses de silicone.
Quando pode ser feita? A partir dos 15 anos.
Tipo de anestesia: Local com sedação ou peridural.
Duração da cirurgia: De 1h30 a 2 horas.
Cicatriz: Discreta e pequena.

6 - Mamoplastia redutora

Se quem tem seios pequenos quer aumentá-los, quem tem seios grandes quer diminuí-os com a mamoplastia redutora, que é a remoção do tecido mamário em excesso. Para muitas mulheres, o resultado ajuda a aliviar problemas de saúde, como dor nas costas e no pescoço, e irritações cutâneas nas dobras abaixo das mamas.
Quando pode ser feita? A partir dos 15 anos.
Tipo de anestesia: Local com sedação ou peridural.
Duração da cirurgia: 2 horas.
Cicatriz: Discreta e pequena.
Quem tem seios muito grandes procura cirurgia para reduzi-los (Crédito: Thinkstock)Quem tem seios muito grandes procura cirurgia para reduzi-los (Crédito: Thinkstock)

7 - Abdominoplastia

Muitas gestações, a própria genética ou mesmo a perda de muito peso podem contribuir para que haja um aumento de gorduras e estrias na região abaixo do umbigo, além de colaborar para a frouxidão. A abdominoplastia retira o excesso de pele e reúne os músculos reto-abdominais, eliminando a aparência de dilatação da área.
Quando pode ser feita? Depois que a mulher decidir não ter mais filhos, pois uma gestação pode comprometer o resultado da cirurgia.
Tipo de anestesia: Peridural com sedação.
Duração da cirurgia: Entre 2 e 3 horas em média.
Cicatriz: "Na altura inferior do abdômen, podendo ser escondida sob o biquíni ou roupa íntima", afirma.

8 - Lipoaspiração

Um dos procedimentos mais realizados, pode ser feito em várias partes do corpo, removendo o excesso de tecido adiposo e devolvendo o contorno corporal, com aparência mais emagrecida. Os locais mais comuns são: abdômen, flancos e dorso, braço, coxa e culotes.
Quando podem ser feitas? Após a adolescência.
Tipo de anestesia: Peridural com sedação (com exceção do braço, que pode ser local)
Cicatriz: Cicatrizes de cortes pequenos (menos de 1 cm).
Já a lipo no pescoço deve ser feita após os 25 anos e deixa uma cicatriz discreta, na região sob o queixo.

9 - Miniabdominoplastia

É uma versão de menor porte da abdominoplastia, reconhecida e autorizada pelo Conselho Federal de Medicina, que adota um procedimento semelhante à tradicional, mas com algumas diferenças. "Além de não 'amarrar' a musculatura reto abdominal, essa cirurgia tem como principal objetivo eliminar o excesso de pele no abdômen da paciente, que é um fator decisivo na indicação", explica.
Quando pode ser feita? Depois que a mulher decidir não ter mais filhos.
Tipo de anestesia: Raqui ou peridural.
Duração da cirurgia: 2 horas.
Cicatriz: Na altura do abdômen, podendo ser escondida sob o biquíni.
Excesso de pele na região abdominal pode ser eliminado com miniabdominoplastia (Crédito: Thinkstock)
Excesso de pele na região abdominal pode ser eliminado com miniabdominoplastia (Crédito: Thinkstock)